Agentes de ocupação

A Comunidade

O especialista é a comunidade, é ela quem define os diferentes aspectos que fazem dos espaços públicos lugares de real valor e interesse para desfrutar a vida nas cidades.

Os Produtores

Algumas pessoas têm o excepcional poder de mobilizar, agregar e compartilhar. São aquelas que fundamentalmente põe a mão na massa e realizam, que fazem do movimento de ocupação de espaços públicos o seu empreendimento. Sem elas o Placemaking não avançaria na velocidade que testemunhamos. Queremos ligar estes Fazedores de Lugar com todos os públicos mas, principalmente, com o Poder Executivo e o Poder Legislativo para que possam ter suas atividades apoiadas e regulamentadas.

O Poder Executivo

É o gestor dos espaços públicos e que deve estar atento às demandas e estimulando diálogos com a comunidade, entendendo as suas prioridades, facilitando o acesso irrestrito aos espaços,

atentando para a inclusão de todos, e promovendo a ocupação e a transformação da cidade.

O Poder Legislativo

Temos de entender que os espaços públicos pertencem a todos os cidadãos, sem distinção, e que a sua ocupação tem de obedecer a critérios, beneficiando a maioria e gerando e distribuindo riquezas. A casa legislativa têm a obrigação de ouvir os anseios de sua gente, promover o debate entre ela e regulamentar o Placemaking.

Os Arquitetos e Urbanistas

Os arquitetos e urbanistas têm uma visão multifacetada do planejamento e execução dos espaços públicos e, com ciência, são estes profissionais aqueles capazes de facilitar os processos de criação ou de revitalização dos espaços públicos, sempre sob o ponto de vista do bem estar da comunidade. São muitas as ações de placemaking sendo realizadas por estes profissionais em Brasília.

As Empresas

As organizações e as empresas locais têm uma excelente oportunidade de se aproximar de sua comunidade, de ajudar a criar este espírito agregador e compartilhador. Devem incluir em suas estratégias públicas e de marketing a geração de ideias para a promoção do Placemaking. Podem e devem criar um forte sentido de lugar para uma região. incentivando as pessoas a se agregarem e compartilharem ações que façam o melhor para sua própria comunidade.

Os Desenvolvedores Digitais

O mundo das startups se abre para o placemaking. A plataforma digital, com suas mais variadas ferramentas e aplicações, ganha suma importância na agregação das pessoas, no debate entre elas e no posterior compartilhamento de ideias, projetos e resultados de experiências de ocupações de espaços públicos.